ee

ee

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Prémios para a Ciência no feminino

A Medalha L’Oréal para as Mulheres na Ciência distingue três jovens investigadoras em áreas que vão das terapias do cancro e da esclerose múltipla à compreensão dos genes que contribuem para o Pneumotórax Espontâneo Primário.

Como prevenir a divisão celular que está na base do cancro que mais vitima as mulheres em Portugal, o da mama? É possível alterar a função de uma proteína para ajudar os doentes de esclerose múltipla a recuperarem mais depressa as suas capacidades? Quais são os genes que provocam o colapso dos pulmões sem que para tal haja razão?

As três perguntas estão na base das três linhas de investigação premiadas este ano com a Medalha de Honra L’Oréal para as Mulheres na Ciência, que desde 2004 distingue anualmente três cientistas portuguesas com menos de 35 anos, das mais diversas áreas. Este ano, as distinguidas com o prémio e com 20 mil euros de financiamento foram a bióloga Ana Barbas, do Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica (Oeiras), Adelaide Fernandes, doutorada em Farmácia professora auxiliar na faculdade desta disciplina em Lisboa e investigadora, e Inês Sousa, investigadora do Instituto de Medicina Molecular e do Instituto Gulbenkian de Ciência, também na capital.

Ana Barbas, 35 anos, pretende criar anticorpos humanos capazes de impedir a divisão anormal das células que estão na base dos desenvolvimentos tumorais cuja consequência é o cancro da mama.

Adelaide Fernandes, de 33, tenta perceber o comportamento da proteína S100B na esclerose múltipla, principal ‘suspeita’ de atrasar a recuperação dos doentes que sofrem deste mal logo após os surtos típicos desta doença. Essa dificuldade em recuperar pode causar danos temporários, como a perda da visão ou das capacidades de locomoção.

Já a ‘caçula’ do grupo, Inês Sousa, de 29 anos, pretende desmontar o esquema genético que está na origem do pneumotórax espontâneo primário, uma doença pouco conhecida que leva ao colapso pulmonar sem que haja qualquer razão aparente para isso ou fortes sintomas prévios.

O prémio é uma iniciativa que junta a célebre marca de cosméticos à UNESCO e destina-se exclusivamente a cientistas no feminino e teve, este ano, Alexandre Quintanilha como presidente do júri. Os prémios são entregues hoje à tarde (17h30) numa cerimónia no Pavilhão do Conhecimento (Parque das Nações, Lisboa) em que vão estar presentes, entre outros, o vice-presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, a secretária-geral da Comissão Nacional da UNESCO e a primeira-dama, Maria Cavaco Silva.


in; SOL - 25 de Janeiro, 2012 - Ricardo Nabais


Sem comentários:

Enviar um comentário